Presidente da Caesb: DF vai sair do racionamento ‘quando tiver de sair’

Por OS Brasília5 de abril de 2018Comentar
CTCS 04 04 2018

Em reunião do Conselho de Transparência e Controle Social nesta quarta-feira (4), o presidente da Caesb, Maurício Luduvice, afirmou que o DF vai sair do racionamento “quando tiver de sair”. A interrupção periódica no fornecimento, em esquema de rodízio, foi adotada em janeiro de 2017. Segundo Luduvice, só com o fim do período de chuvas será possível avaliar os reservatórios e tomar uma decisão responsável.

Luduvice compareceu ao CTCS para apresentar a atuação da Caesb no enfrentamento da crise hídrica e discutir a transparência da empresa em relação a esse e a outros temas.

O presidente da Caesb reiterou que a captação no sistema Corumbá começará até o fim do ano. Ele também ressaltou que, além dos investimentos em captação, a empresa vem trabalhando para a redução de perdas, com substituição de equipamentos, adequação de redes e monitoramento.

Em resposta a questionamentos de conselheiros, Luduvice garantiu que a qualidade da água fornecida no DF segue todos os padrões de potabilidade exigidos pela Adasa e pelo Ministério da Saúde. No que diz respeito à remuneração dos empregados da Caesb, que causou polêmica no início de 2017 com a divulgação pela imprensa de salários de quase R$ 100 mil, disse que é preciso respeitar as regras da CLT, mas que há um esforço para conter as despesas.

Balanço do governo e emendas parlamentares

Também participou da reunião a secretária de Planejamento, Orçamento e Gestão, Leany Lemos, que apresentou o portal do GDF que traz um balanço da execução nas áreas prioritárias do governo. O Balanço de Prioridades avalia os compromissos firmados nos Acordos de Resultados dos órgãos públicos – antiga demanda do CTCS – e agrega outras informações.

Leany também mostrou as consultas disponibilizadas recentemente da execução das emendas parlamentares. As emendas são recursos orçamentários que os deputados distritais podem direcionar livremente num total de quase R$ 19 milhões por parlamentar. Os dados podem ser acessados, com pequenas diferenças, no site da Seplag e no Portal da Transparência do DF. A secretária disse que em breve estarão disponíveis também em formato aberto.

Avaliação do transporte público

Na reunião, foi aprovado requerimento, dirigido à Secretaria de Mobilidade, para divulgação imediata das conclusões de trabalho de avaliação do sistema de transporte coletivo do DF realizado pela Fundação Getúlio Vargas. A FGV foi contratada em janeiro de 2017 por R$ 4,8 milhões. A conclusão do estudo, prevista inicialmente para agosto do ano passado, foi adiada por três vezes. A vigência do contrato se encerrou em março deste ano, mas a secretaria não divulgou nenhuma informação sobre a avaliação.

Outro requerimento aprovado sugere a discussão no âmbito do Conselho de Direitos Humanos do DF das causas de suicídios entre servidores do DF, especialmente nas áreas de saúde e segurança pública.

Troca de comando

Ao fim da reunião, o controlador-geral do DF, Henrique Ziller, anunciou que deixará o cargo na próxima sexta-feira. Ele agradeceu pela contribuição do CTCS e apresentou seu substituto no cargo, Lúcio Pinho, atual subcontrolador de controle interno.

A reunião também foi a última de Rodrigo Chia, presidente do CTCS por um ano e meio, como representante do Observatório Social de Brasília. Os membros do OSBrasília no CTCS a partir de maio serão Onésimo Staffuzza (titular) e Gilberto Gomes (suplente).

Participaram da 2ª Reunião Ordinária Guilherme Carvalho (DF em Movimento), que presidiu os trabalhos; Carlos Augusto Santos Assumpção (ABI); José Ferreira Simões (Agenda 21); Raimundo Salvador Braz (NCST); e Rodrigo Chia (Observatório Social de Brasília). Também esteve presente Gilberto Gomes (Observatório Social de Brasília).

A íntegra da reunião está disponível no YouTube.