Entidades sugerem novos dados para aplicativo Siga Brasília

Por OS Brasília10 de julho de 20151 comentario
Tela Siga Brasília

Na reunião do Conselho de Transparência e Controle Social da última quarta-feira (8), entidades apresentaram sugestões para inclusão de novos dados no aplicativo Siga Brasília, sistema de acesso à informação lançado pelo GDF em junho.

O presidente do Conselho Regional de Economia (Corecon-DF), Carlos Eduardo de Freitas, pediu a publicação de dados como investimentos, custeio, custeio abrangente, gastos com pessoal, dívida líquida e dívida flutuante.

Ele argumentou que essas informações são importantes para que se possa fazer um exame da situação econômico-financeira do Distrito Federal e analisar de modo mais fundamentado momentos específicos como a crise de liquidez no segundo semestre de 2014.

O presidente da Fecomércio, Adelmir Santana, apoiou a sugestão, acrescentando que esse tipo de dado é essencial para identificar movimentos como queda de arrecadação e nível de investimento.

O representante do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), Emerson Santos de Lima, sugeriu que as despesas disponíveis no aplicativo sejam mais detalhadas. Hoje, o cidadão obtém apenas a identificação do empenho e o valor, além de outros itens técnicos. Emerson citou como dados relevantes para o exercício do controle social a descrição da despesa e o contrato.

Emerson também sugeriu que a opção de comentários seja aperfeiçoada para permitir a participação do cidadão associada a qualquer dado encontrado no aplicativo. Assim, por exemplo, o usuário poderia, ao verificar um pagamento feito a uma empresa, imediatamente fazer uma denúncia de que o serviço não foi prestado.

Caio Valente, do DF em Movimento, sugeriu que os convênios também tenham sua execução detalhada. A forma atual, só com os pagamentos, não permite identificar a que se referem.

O Observatório Social apoia as demandas apresentadas e pretende, ainda, solicitar pelo menos dois outros aperfeiçoamentos: a publicação centralizada de editais e demais documentos referentes a licitações do DF e o detalhamento das receitas para identificar as empresas que fizeram pagamentos ao DF.

Além dos conselheiros e convidados, participaram da reunião o controlador-geral do DF, Djacyr Cavalcanti, e o subsecretário de Transparência e Gestão da Informação, Rondon Porto.